Notícias

Jornalismo profissional se une no Brasil contra “fake news” nas eleições

 

Projeto Comprova visa combater a desinformação online nas eleições de 2018, 24 veículos aderiram ao projeto

Um grupo de 24 veículos de imprensa que atuam no Brasil, incluindo o Poder360, vão investigar a desinformação online durante as eleições de 2018. Batizado de Comprova, o projeto foi inspirado no CrossCheck, iniciativa semelhante durante a campanha eleitoral presidencial na França, em maio de 2017.

A iniciativa do projeto é do First Draft, centro de estudos jornalísticos ligado ao Shorenstein Center da Universidade Harvard. No Brasil, a coalizão está sob coordenação da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) e tem apoio do Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo). O Google e o Facebook ajudam no financiamento.

“O desafio do combate à desinformação exige uma ação coordenada”, diz Daniel Bramatti, presidente da Abraji e líder do Comprova. “Nunca tantos veículos se uniram em 1 projeto colaborativo como este”, afirmou.

O Comprova entrará no ar em 6 de agosto de 2018. A partir dessa data, as redações –como os jornalistas se referem ao local onde são escritos textos e produzidas as notícias– dos 24 veículos passarão a fazer o monitoramento. O objetivo é escrutinar redes sociais e checar se alguns dos posts, vídeos e fotos mais compartilhados são inverídicos, distorcidos ou descontextualizados. Cada informação suspeita terá de ser avaliada por checadores de duas redações diferentes.

Após a checagem, os relatos serão publicados no site Comprova e poderão ser divulgados pelos veículos parceiros, além de serem distribuídos em redes sociais, como Facebook, Youtube e Twitter.

A iniciativa também terá o cuidado de questionar apenas informações equivocadas que já tenham tido 1 grande alcance ou que tenham potencial viral. A ideia é que a plataforma não corra risco de ajudar 1 boato ainda fraco a ganhar fôlego acidentalmente.

O editor do portal Poder360, Tales Faria, afirma que “o projeto Comprova é relevante para a democracia”. Para ele, “os cidadãos terão mais uma fonte para comprovar se determinadas informações são bem apuradas e verdadeiras –e também saber quando se trata apenas de fragmentos de fatos apresentados de maneira capciosa, desconexa ou mentirosa. A participação do Poder360 no Comprova é mais uma demonstração do compromisso do portal com o jornalismo profissional”.

“O volume de conteúdo problemático circulando no Brasil é grande demais para que uma única redação lide com ele, e não faz sentido que diferentes redações dupliquem esforços para investigar os mesmos casos de conteúdo problemático”, diz Claire Wardle, diretora do First Draft.

FAKE NEWS (NOTÍCIAS FALSAS) OU DESINFORMAÇÃO?

O First Draft defende que o termo fake news não seja utilizado como sinônimo único de fragmentos de informações jogados na internet. O First Draft aponta duas razões para rejeitar a expressão fake news:

1) considera-se o termo fake news inadequado para descrever fenômenos complexos de poluição da informação;

2) o termo fake news foi apropriado, principalmente por políticos, para injuriar organizações jornalísticas cujas coberturas são consideradas negativas ou para restringir e até reprimir a liberdade de imprensa.

 

FONTE: Poder360.