Destaques

Luto na comunicação: Fernando Morgado analisa o trabalho de Gugu Liberato no rádio

Apesar da TV ter sido a sua grande paixão, Gugu Liberato também atuou no rádio. O meio, inclusive, o fez pensar em ser correspondente internacional. Ele era ouvinte assíduo de Reali Jr. na Jovem Pan.

Uma das primeiras experiências profissionais de Augusto Liberato no rádio aconteceu no município paulistano de Itatiba. Lá, entre 1978 e 1979, gerenciou a antiga rádio Progresso, hoje CRN. Na época, Liberato demonstrava gostar muito mais de criar quadros e programas do que de apresentá-los.

De volta à capital paulista, Gugu conciliou sua atuação no vídeo com o trabalho diante dos microfones de rádio. Ele passou por diversas estações importantes, como Rede L&C, Capital – onde comandou uma atração chamada “Música premiada”, que entrava no ar ao meio-dia – e Record – para onde foi em 1990, pouco tempo depois de Edir Macedo ter comprado a emissora.

Conforme conto no meu mais recente livro, “Comunicadores S.A.”, Gugu tentou, inclusive, ser dono de rádio. Chegou até a constituir uma empresa para isso, a Sistema Liberato de Comunicação. O animador, porém, não conseguiu realizar esse desejo.

Augusto Liberato dedicou sua vida à comunicação. Sua partida, tão prematura e inesperada, entristece todo o Brasil e deixa um enorme vazio na TV e no rádio, que tinham ele como uma de suas principais referências.

A seguir, dois vídeos que registram a atuação de Gugu no rádio:

Gugu Liberato apresentando o programa “Música premiada” na Rádio Capital em 1982

 

Chamada de estreia de Gugu Liberato na Rádio Record em 1990

A morte do apresentador foi anunciada nesta sexta-feira (20). Gugu tinha 60 anos e sofreu um acidente doméstico. De acordo com sua assessoria, ele teve uma queda acidental de uma altura de cerca de quatro metros quando fazia um reparo no ar-condicionado instalado no sótão de sua casa, em Orlando.

 

Fonte: Tudorádio