Notícias

O fenômeno do rádio no Brasil

Assim como o futebol, o rádio também é grande uma paixão dos brasileiros. Mesmo com a tecnologia avançando, dispositivos diferenciados de música e até aplicativos inovadores, o público do rádio segue firme. Apesar de ser um dos mais antigos veículos de comunicação e entretenimento, não ficou para trás, foi se reinventando ao longo dos anos. O que fez com que não perdesse a credibilidade e o espaço no coração dos brasileiros.

A primeira transmissão de rádio no país aconteceu em 07 de setembro de 1922, simultaneamente à exposição internacional em comemoração ao centenário da Independência do Brasil, que foi inaugurada pelo então presidente Epitácio Pessoa.

Em meio ao clima festivo, Epitácio Pessoa abriu a programação da exposição, que foi possível por meio de um transmissor de 500 watts, fornecido pela empresa norte-americana Westinghouse e instalado no alto do Corcovado, na cidade do Rio de Janeiro.

Apenas 80 receptores espalhados no Rio e nos municípios fluminenses de Niterói e Petrópolis acompanharam a transmissão experimental, que contou com músicas clássicas durante toda a abertura, entre elas, a ópera ‘O Guarani’, de Carlos Gomes.

Mais de 95 anos depois da primeira transmissão, e milhares de inovações tecnológicas ocorridas no mundo, o rádio continua sendo uma paixão dos brasileiros. É um meio democrático, que engloba diferentes idades, gostos e serviços. É considerado fonte confiável de notícias e um ótimo provedor de entretenimento.

De acordo com os dados do Book de Rádio de 2018 do Kantar IBOPE media, 86% dos brasileiros são ouvintes frequentes do rádio. As pessoas escutam rádio em diversos lugares ao longo do dia, o que é possível devido às várias formas de transmissão deste veículo de mídia tão presente na vida dos brasileiros. 71% dos ouvintes escutam no conforto do lar, 21% no transito em busca de entretenimento e informação, 12% dos brasileiros escutam enquanto estão trabalhando, e 3% em outros locais.

3 a cada 5 ouvintes escutam o rádio diariamente, cada um passa cerca de 4:40 ouvindo, por dia.  78% dos ouvintes buscam notícias e 62% visam entretenimento, afinal, o rádio está sempre nos atualizando com as tendências musicais do momento.

Diferente de outros veículos de mídia que não conseguiram resistir aos avanços tecnológicos, o rádio se superou e mesmo com todos os serviços de música streaming que a plataforma como a do Spotify oferece, não ficou abalado. Foi se reinventando, e continua presente na vida e no coração dos brasileiros quase 100 anos depois da primeira transmissão no país.

 

Assessoria de Comunicação do SERT/SC