Digital auxilia receita da iHeartMedia durante a pandemia do novo coronavírus. Executivo fala sobre defesa do rádio

A iHeartMedia, maior grupo de rádios dos Estados Unidos, realizou um balanço de suas atividades neste primeiro semestre de 2020, auge dos impactos sociais e econômicos causados pela pandemia do novo coronavírus. Segundo a empresa, a receita positiva do grupo foi mantida devido à ajustes operacionais e também ao grande interesse de anunciantes em suas plataformas digitais, com destaque aos podcasts. Já o rádio terrestre (FM/AM) manteve sua audiência durante a pandemia, mas sofreu com queda de receita em publicidade. Acompanhe os detalhes:

Os dados relacionados a iHeartMedia foram discutidos em conferência virtual, que contou com falas do CEO da iHeartMedia, Bob Pittman. O executivo disse que o rádio em formato de transmissão terrestre foi a mais atingido financeiramente pela pandemia, devido ao fato de que o meio depende tanto de contratos de curto prazo. Em comparação com outros meios, que contam com mais negócios a longo prazo, Pittman afirma que a TV não levou um golpe tão grande.

Porém, as receitas do grupo foram seguradas por dois motivos: o grande interesse da publicidade por plataformas digitais e pelos ajustes operacionais feitos pela iHeartMedia, com a intenção de mitigar os efeitos da pandemia e também ampliar a eficiência operacional futura. Nos dois casos, as soluções estão passando diretamente pelo investimento em tecnologia.

No digital, a iHeartMedia obteve um crescimento de 100% no faturamento vindos dos podcasts no segundo trimestre de 2020. E, segundo a própria empresa, não há sinais de desaceleração dessa tendência.

“É a querida agora. É o que as pessoas procuram tentar”, disse Pittman sobre os podcasts, que completa afirmando que é “uma área de tremendo crescimento” que está atraindo preços mais elevados na venda de anúncios. “É algo que os anunciantes desejam e vêm até nós em busca”, afirma o executivo.

Para se ter uma ideia do volume de consumo de podcasts dentro da plataforma da iHeartMedia, o grupo contou com 25 milhões de downloads em julho, sendo um aumento de 60% em relação ao ano anterior.

Há um investimento considerável na promoção e classificação da iHeartMedia como uma plataforma consistente de podcasts. A empresa usa suas 850 estações de rádio nos Estados Unidos para alavancar o digital, algo que tem funcionado em audiência e revertido em faturamento.

Defesa do rádio e atendendo os anunciantes

Durante a conferência, os executivos da iHeart foram questionados sobre o modo como estão defendendo a operação de rádio nos Estados Unidos perante o mercado publicitário. “A primeira coisa que você faz para se defender é garantir que os ouvintes estejam com você”, respondeu Pittman. E, embora o iHeart seja a maior entidade de áudio em termos de audiência, o executivo também disse que é responsabilidade do grupo vender publicidade “da maneira que o mercado quiser”.

Ou seja, o mercado deseja cada vez mais dados. E é através do digital que é possível fornecer essas informações com mais detalhamento, com o uso de plataformas eletrônicas de anúncio que auxiliam a compra de mídia.

O discurso e mostrar suas ações também ajudam: o executivo afirma que “mover-se para cima” para falar sobre “grandes ideias” diretamente com os mídias, permitiu que a iHeartMedia se tornasse mais um parceiro de marketing do que um fornecedor. Isso está ajudando a gerar negócios com CPM (preço) mais alto. “Temos algumas vantagens interessantes. Nós apenas temos que garantir que facilitamos o uso dos anunciantes e jogamos na plataforma em que estão jogando”, afirmou Pittman.

Também foi destacado que há uma tendência de mudança na forma como se compra mídia, deixando de fazer de maneira isolada e passando a agregar soluções multiplataformas. Isso é favorável para o rádio, segundo Pittman. Segundo o executivo, o rádio, quando comprado com o mesmo peso que a TV, ele oferece o mesmo impacto, mas com um preço significativamente mais baixo para o anunciante.

Ajustes operacionais

Redução de custos e ajustes operacionais com base em tecnologia também foram importantes para um balanço equilibrado da iHeartMedia em tempos de pandemia. O processo de “modernização” foi iniciado em fevereiro passado que, segundo a empresa, deve economizar US$ 50 milhões este ano.

Várias reduções de valores em folha e também no tamanho das equipes estiveram no balanço da iHeartMedia para 2020, porém o maior peso tem relação com os custos imobiliários. Da mesma forma que tem acontecido com empresas de diferentes segmentos em todo o planeta, a adoção de tecnologia no dia a dia das equipes pode diminuir o custo com estruturas físicas, algo que poderá ser permanente.

Segundo Pittman, a pandemia do novo coronavírus fez com que a empresa acelerasse o uso de tecnologia para suporte e trabalho administrativo, economizando dinheiro e melhorando a qualidade, ao mesmo tempo que permitia operar independentemente da localidade. Trata-se de “um componente importante de nossa nova base de custo no novo normal”, afirma o executivo em relação à tecnologia.

Bob Pittman é um dos nomes confirmados para a programação virtual do Radio Show 2020, marcado para o mês de outubro. Há a expectativa de discussões sobre esses movimentos durante a conferência.

Fonte: Tudorádio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *