Em visita ao Brasil, delegação da China quer intensificar cooperação em radiodifusão

A secretária de Comunicação Eletrônica do MCTIC, Vanda Bonna, recebeu nesta quarta-feira (19) a delegação chinesa, liderada pelo vice-ministro Tong Gang. No encontro, chineses aprofundaram o entendimento sobre a migração da TV analógica para o sistema digital, que está em andamento no Brasil. Na China, a transição já foi concluída na maior parte das cidades.

19-10-china-quer-intensificar-cooperacao-em-radiodifusao-com-o-brasil
O vice-ministro da Administração Estatal de Imprensa, Publicação, Rádio, Filme e Televisão do País, Tong Gang, e a secretária de Comunicação Eletrônica do MCTIC, Vanda Jugurtha Bonna, se reuniram em Brasília. Crédito: Ascom/MCTIC

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) recebeu, nesta quarta-feira (19), uma comitiva de representantes do governo e do setor de radiodifusão da China. Liderada pelo vice-ministro da Administração Estatal de Imprensa, Publicação, Rádio, Filme e Televisão do País, Tong Gang, a delegação demonstrou interesse em intensificar intercâmbios e cooperações em políticas de radiodifusão com o Brasil.

Além de conhecer um pouco a realidade do setor no Brasil, os visitantes puderam se informar sobre o processo de transição da TV analógica para o sistema digital. Segundo o vice-ministro Tong Gang, a China também está passando por essa mudança, sendo que lá a maior parte das cidades já fez a migração.

“China e Brasil têm muita coisa em comum. Nos dois países, a televisão é muito forte. Gostaríamos de iniciar uma cooperação maior nesta área”, comentou Tong Gang, destacando que, na China, há mais de 500 milhões de equipamentos de televisão. “Se considerarmos também as outras plataformas onde é possível assistir TV hoje em dia, já podemos dizer que este número supera a marca de um bilhão”, acrescentou.

Na oportunidade, a secretária de Serviços de Comunicação Eletrônica do MCTIC, Vanda Jugurtha Bonna, afirmou que o Brasil também tem muito interesse em trabalhar junto com a China, buscando formas de melhorar o serviço e beneficiar a população dos dois países. “Vamos combinar com o setor a melhor forma de cooperação tecnológica e também de conteúdo”, explicou.

Fonte: MCTIC